[Resenha] O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares

orfanato4Classificação: ★★☆☆☆
Título:
O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares #1

Título original: Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children
Páginas: 336
Ano Edição: 2016
Editor(a): LeYa
Autor(a): Ransom Riggs 
Participações: Marcia Blasques (Tradutor)
Edmundo Barreiro (Tradutor) 

Edição: 
ISBN: 978-85-441-0474-3
Gênero: Fantasia / Ficção / Jovem adulto / Literatura Estrangeira / Romance
Resenha por: Giovanna Cuzziol Longo
imagem retirada do site http://www.amazon.com.br

Sinopse: Esta obra, que combina ficção e fotografia, vai transportar o leitor para uma ilha sinistra no País de Gales, assolada pela Segunda Guerra Mundial. E é lá que o jovem Jacob Portman vai descobrir que existem muito mais coisas neste mundo do que ele pode imaginar. Abraham Portman era sua pessoa favorita em todo o mundo. O avô – que já havia lutado em guerras, cruzado oceanos, morado num circo e sobreviveria até mesmo na selva – vivia contando histórias fantásticas de seus tempos de orfanato, naquela ilha maravilhosa onde sempre era verão e ninguém jamais ficava doente ou morria. Jacob adorava ouvir as histórias sobre as crianças – chamadas de peculiares por seu avô – que podiam levitar, ou ficar invisíveis ou ainda eram mais fortes do que um exército. Mas o tempo passou, e Jacob parou de acreditar em contos de fada, até aquele dia. Ao encontrar o avô morto, Jacob mergulha numa busca por explicações de seu passado naquela tal ilha, que hoje era apenas povoada por escombros de um orfanato, o Lar da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares.

orfanato3

Se um dia me pedissem um conselho sobre filmes e livros, eu diria: Jamais veja um filme antes de ler o livro. Brincadeiras à parte, comecei a leitura de O orfanato logo depois de ter assistido à adaptação no cinema, o que acabou sendo uma experiência perturbadora. Fiquei ansiosa até praticamente o meio do livro, quando fui perceber que um não tinha muito a ver com o outro (as maiores diferenças que mais me incomodaram, você pode acessar clicando aqui).

O orfanato, antes de ter sua grandiosa estreia nas telonas, era (ou melhor, é) um livro enigmático. Pela capa e, principalmente, pelas fotografias que o acompanham, é fácil de se cometer um erro e confundi-lo com uma incrível história de terror. É claro que eu sabia onde estava metendo o nariz, por causa do filme, mas sei de muita gente que acabou se decepcionando.

À parte disso, é um livro bom. Muito me encantou Jake, o nosso protagonista, e seu inusitado olhar em relação ao mundo. É de se esperar que um adolescente com uma relação perturbada com os pais e quase sem amigos acabe por se tornar um exemplar de revolta. Mas Jake, além disso, tem uma visão madura sobre as coisas, e diversas vezes suas falas e pensamentos eram rodeados de uma sutil inocência, tão fácil de ser despercebida. Além de muita franqueza, é claro.

Às vezes tudo o que você precisa fazer é cruzar uma porta. (pág. 85)

Rodeados de ironia e fantasias são os discursos e, embora seja uma leitura juvenil, o livro pareceu se arrastar vagarosamente desde o início até um pouco depois da sua metade. O desfecho é agitado e divertido, mas deixa questões em aberto, as quais, provavelmente, dão abertura para suas continuações.

O livro é o perfeito exemplo de obra que nos tira da nossa atmosfera e tem um enredo promissor, apesar de batido. O autor, Ransom Riggs, nos deleita com uma escrita fisgante, mas deixa a desejar com uma história previsível. Ainda assim, prepare-se para se divertir e se sentir peculiarmente envolvido com o livro e suas crianças.

Emma é um exemplo de personagem forte e autoritária, mas seja porque é uma alma idosa presa a um corpo jovem ou porque o seu desenvolvimento foi falho, é muito fácil acabar vivenciando um misto de emoções em relação a ela. A Srta. Peregrine não é em nada como eu imaginava, e, com o espaço gigante que lhe foi dado, ela poderia ter inspirado muito mais do que o fez. Talvez essa seja, de fato, a grande genialidade da personagem: A falta de motivação quanto aos pequenos a aproxima ainda mais de alguém muito tangível. Todos os outros personagens não parecem condizer com a idade real, e sim com o que as fisionomias demonstram, embora sejam carismáticos à sua maneira.

As famosas figuras do livro acabam se tornando a grande revelação e surpresa. Apesar de interromperem a leitura e serem um obstáculo de continuidade, são pequenos presentes ilustrativos que nos deixam ainda mais conectados e fascinados.

skoob onde comprar | e-book

Porque não havia como escapar dos monstros (…). Em lugar nenhum. (pág. 93)

Para visualizar os melhores trechos e os meus favoritos, clique aqui.

Anúncios

3 comentários sobre “[Resenha] O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s