[Resenha] Eles precisam morrer

precs morrer
Classificação: ★
☆☆☆☆ (clique aqui para saber o que isso significa)
Título:
 Eles precisam morrer

Páginas: 302
Ano Edição: 2016
Editor(a): Chiado
Autor(a): Monica Dombroski
Edição: 
ISBN: 978-989-51-6807-1
Gênero: Ficção / Suspense
Resenha por: Giovanna Cuzziol Longo
imagem retirada do site da editora chiado
Sinopse: Alicia, Clara e Amanda são três adolescentes que vivem em uma pequena cidade do interior e compartilham uma vida de tédio e poucas perspectivas de futuro. Elas acreditam que os responsáveis pela vida ruim que levam são as pessoas com quem convivem e, aos poucos, a ideia de eliminar algumas pessoas vai amadurecendo até desencadear uma série de mortes e revelações, trazendo um esclarecimento sobre quem realmente é o responsável pela vida de cada uma.

elesprecisam.jpg

Um dos melhores tipo de livros é aquele que consegue te deixar curioso antes mesmo de se iniciar a leitura. Junto do título chamativo e da capa misteriosa, o enredo promissor consegue capturar o leitor com maestria, ainda que isso não seja o suficiente para tornar a leitura tão boa quanto poderia ter sido. 

Cheia de teorias, iniciei a leitura, que logo nos apresentou as três protagonistas que vão mandar na história: Alicia, Amanda e Clara, as quais, para manter as aparências, são consideradas amigas. Recebemos, também, algumas informações sobre os personagens secundários, mas não passa daí: muita notícia jogada, sem rumo ou sem encaminhamento. Fontana, uma cidade pequena e sem graça, é o palco do show, onde as coisas acontecem. Mais do que isso, ela acaba se tornando um personagem, por ser tão presente na narrativa das meninas. Alicia é filha de um médico muito conhecido por lá. Amanda leva uma vida simples e, a princípio, nos engana a ser uma boa menina. Clara, a terceira integrante, é obesa e tem pensamentos suicidas. 

O ódio pode fazer a pessoa acordar um lado dela que ela nem sequer acreditava existir, pode fazer uma pessoa ser ela mesma, porque o ódio mata o medo. (pág. 128)

Apesar das personagens terem  suas próprias frustrações, dores e mágoas, nenhuma delas é suficientemente desenvolvida de modo que haja, realmente, uma base para suas ações. Nenhuma delas é acessível. Tive a impressão de que tudo na cidade acontecia como se não houvessem consequências para um ato. O enredo, apesar de perdido, toca em pontos sensíveis à humanidade, e se torna pesado.

A premissa do livro, mesmo que confusa, seria ótima se trabalhada de outra maneira e com outros cuidados. Com um começo arrastado, algumas repetições desnecessárias e cenas forçadas, torna-se um suspense trash, menos assustador do que deveria ser. Ainda assim, é uma história cruel e fria, a ponto de nos deixar extremamente desconfortáveis com algumas partes que cumprem os respectivos papéis: feitas para chocar, é exatamente isso que fazem. O último capítulo, porém, conseguiu realmente entrar em uma atmosfera sombria e chocante, garantindo ao suspense uma cena muito boa. Pena que a conexão entre livro/leitor foi tão tardia. 

Monica Dombroski, a autora, cria morais e lições valiosas, mesmo que mal desenvolvidas: A podridão do ser humano é pintada em um quadro de horror, enquanto observamos até que ponto um consegue chegar, especialmente quando se culpa os outros pelos problemas da própria vida. Como se comportar quando descobrimos que o mal habita nosso interior? Como sobreviver ao ódio? São essas questões, dentre algumas outras, que o livro nos apresenta e, assustadoramente, responde. 

Não há nada pior para um covarde do que ser livre. (pág 231)

skoob onde comprar

 

Sobre a autora: Monica Dombroski teve contato com livros desde criança, em casa tinha vários livros infantis, o que despertou seu gosto pela leitura e a vontade de escrever. Escrevia pequenos contos com ilustrações próprias e também gostava muito de criar histórias em quadrinhos. Antes de pensar em ser escritora, tinha vontade de ser cartunista. Porém, a ligação com os livros se tornou mais forte, principalmente durante a adolescência, quando foi descobrindo seu gosto literário e passou a ler autores que a inspiraram e, de certa forma, encorajaram a publicar sua própria obra. Além de livros, as séries, os filmes (especialmente os de drama e terror) e as músicas que ouve, também desempenham um papel importante na sua escrita. Apesar de escrever desde criança, decidiu tentar publicar seu primeiro livro somente quando terminou a faculdade de Psicologia no fim de 2014. Seu primeiro livro “Eles Precisam Morrer” foi lançado em outubro de 2016.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s