A carta que você nunca recebeu

LONELY

    Não adianta eu me olhar no espelho e afirmar, com meu tom mais firme, que passou. Não adianta eu repetir ou recitar… Não passou.

    Consigo dividir o que passamos em algumas fases. A primeira delas, quando as coisas eram flores. Era quase como se o aroma inconfundível do amor nos rodeasse e nos inebriasse da cabeça aos pés; costumávamos ignorar a tudo e a todos simplesmente pelo fato de termos, um no outro, a proteção que precisávamos. O arrepio na espinha, agourento, porém, todos os dias, me lembrava de algo que não estava certo. Eu ignorei. Continuar lendo